Quem Foi Cristo Que Morreu E Se Levantou Outra Vez?

"Que pensais vós do Cristo?" (Mateus 22:42) - foi a pergunta com que Jesus da Nazaré embaraçou os Judeus. A controvérsia a seu respeito tem feito eco pelos séculos num infindável conflito retórico, que tem culminado com perseguição, tortura e guerra. O seu nome é: O Príncipe da Paz; contudo, só verdadeiramente a sua própria profecia se tem realizado:"Supondes que vim para dar paz à terra? Não, eu vo-lo afirmo, antes divisão" (Lucas 12:51). "Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada" (Mateus 10:34). Desanimados pelas lutas e derramar de sangue, muita gente volta as costas a este assunto repugnados. Apesar disso, conhecer Cristo é o conhecimento mais vital que podemos possuir, pois o apóstolo João diz: "Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus" (1 João 5:5). Jesus próprio declara a outra parte da mesma verdade quando disse: "Porque, se não crerdes que eu sou, morrereis nos vossos pecados" (João 8:24). O significado desta referência é-nos dado pelo apóstolo Paulo ao avisar os Coríntios de que: "se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados", e acrescenta: "E, também, os que dormiram em Cristo estão perdidos" (1 Coríntios 15:17-18). Se não se acreditar em Cristo, não pode haver esperança de vida futura; se se acerditar em Cristo (no verdadeiro termo Escritural "acreditar") os homens podem-se tornar "filhos de Deus" e "filhos da Ressurreição", não "podendo morrer nunca mais", mas viverão em comunhão eterna com Deus e o Seu Cristo. A pergunta então, não pode ser evadida, e à responsabilidade de se lhe dar uma resposta não se pode escapar. A história lamentável de quase dois mil anos contêm o testemunho da pre-eminência de Cristo. Mais nenhum clamou tantos direitos, revelou tal caracter, ou deixou marca tão profunda em toda a história subsequente. De mais nenhum se pode até mesmo sugerir que "a vida" depende de "crer nele". A sua vinda foi anunciada com a mensagem: "Paz na terra" (Lucas 2:14), porque é que então devia o seu nome trazer tanta contenda? A causa deste conflito não está na sua pureza, ou na verdade a respeito dele; encontra-se antes no impacto que ele faz num mundo que o nega ou o atraiçoa. Filosofias e sentimentos do homem estão sempre em contradição e colisão com a sua doutrina; a sua palavra e a dos homens têm sido continuamente misturadas na doutrina das igrejas, sem nunca se poderem verdadeiramente fundir. Até mesmo os discípulos que saíram com a sua autoridade e mensagem, ensinaram uma doutrina que se podia aprender, compreender e crer por qualquer simples homem. O que é que as Escrituras nos dizem a respeito de Jesus Cristo afinal?